Pós-Graduação em Fisioterapia na Comunidade: Empreendedorismo e Modelos de Intervenção

Geral

Descrição do programa

A intervenção do Fisioterapeuta na comunidade, encontra-se, em Portugal, em fase embrionária e apresenta-se como uma área de intervenção em crescendo, constituindo uma janela de oportunidade para o concretizar das competências dos Fisioterapeutas nesta área no que respeita ao ensino e promoção da literacia em saúde, à promoção da saúde, à prevenção, ao tratamento e à reabilitação, necessitando de conhecimentos e ferramentas especificas.

Pretende-se com esta pós-graduação, que o Fisioterapeuta adquira competências no que respeita ao enquadramento político-administrativo, procedimentos para a concretização de projetos, modelos de intervenção, gestão de recursos, relações interpessoais e avaliação de necessidades, de modo a dar resposta às necessidades da comunidade, considerando as especificidades demográficas, epidemiológicas e de serviços de saúde. Assim como, desenvolver as competências de concretização de estudos científicos nos quais se alicerça a intervenção e desenvolvimento de projetos.

No quadro atual de desafios crescentes, esta pós-graduação convida Fisioterapeutas e Professores de referência, com formação e experiencia concordante com os objetivos e conteúdos lecionados, garantindo a adequação e atualização dos conteúdos programáticos das diferentes unidades curriculares.

Os ECT’S (European Credits Transfer Sistem) obtidos nesta pós-graduação estão de acordo com as normas do Processo de Bolonha, podendo assim ser futuramente contabilizados em outros cursos.

Objetivos

Objetivo geral

Desenvolver e capacitar os Fisioterapeutas relativamente às necessidades da população/comunidade, por via do conhecimento de perfil demográfico, epidemiológico e serviços e recursos humanos da saúde das regiões de Portugal, considerando os desafios atuais e futuros existentes, no que concerne com as alterações demográficas, das estruturas familiares, do mercado de trabalho e das novas necessidades de uma sociedade em mutação. Enquadrando este processo ao nível político-administrativo nacional, da União Europeia e Mundial, nomeadamente ao nível do enquadramento das determinações da Organização Mundial da Saúde. Tendo por base este conhecimento, capacitar os profissionais para responder adequadamente e de forma informada a estas necessidades, promovendo perfil empreendedor e credenciando-os para a concepção e oferta de serviços, execução de projetos e desenvolvimento de modelos de intervenção de excelência na comunidade, enquadrados em organizações e instituições privadas e públicas ou de iniciativa privada individual, visando a promoção de continua melhoria do estado de saúde e qualidade de vida da população.

Objetivos específicos

  1. Desenvolver competências relativas ao conhecimento do cenário demográfico, epidemiológico, de serviços de saúde e recursos humanos da saúde em Portugal ao nível regional de forma a desenvolver estratégias de avaliação para identificar as necessidades da população.
  2. Desenvolver competências relativas ao conhecimento da política e estrutura organizativa do sistema de saúde em Portugal, no qual o Serviço Nacional de Saúde é a base, e os seus objetivos estratégicos. Assim como, o seu enquadramento ao nível da União Europeia e mundial, nomeadamente as determinações da OMS, de forma a desenvolver estratégias de intervenção enquadradas nos objetivos e de acordo com as metodologias exigidas no contexto político-administrativo.
  3. Desenvolver competências relativas à gestão económica e de recursos, designadamente de recursos humanos de forma a desenvolver projetos sustentáveis
  4. Desenvolver competências de empreendedorismo, comunicação, exposição e relação interpessoal e com as organizações, de forma a facilitar o contacto com as organizações, instituições e população envolvidas nos processos e projetos de intervenção comunitária
  5. Desenvolver competências de avaliação, construção e implementação de projetos comunitários, de acordo com as determinações existentes nos vários contextos possíveis, nomeadamente de acordo com as conjunturas e oportunidades de financiamento ao nível nacional e da União Europeia.
  6. Desenvolver competências de implementação de modelos organizativos e de intervenção, concordantes com as necessidades e oportunidades das unidades de saúde enquadradas no sistema de saúde nacional e especificamente no Serviço Nacional de Saúde, com intervenção comunitária, como sejam: Centros de Saúde e Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados
  7. Desenvolver competências de avaliação, de construção e implementação de projetos ao nível local, no âmbito dos órgãos das autarquias locais, como sejam as Juntas de Freguesia
  8. Desenvolver competências de avaliação, de construção e implementação de projetos no âmbito de creches, jardins de infância e escolas dos diferentes ciclos de estudos.
  9. Desenvolver competências de avaliação, de construção e implementação de projetos no âmbito de organizações associativas, organizações empresariais, empresas e projetos autónomos de intervenção comunitária.
  10. Desenvolver competências de adopção de uma prática baseada na evidência, proporcionando investigação centrada na avaliação, medição e intervenção.

Público-alvo

A Pós-Graduação é destinada a Fisioterapeutas que pretendam desenvolver competências na área da Fisioterapia na Comunidade.

Última actualização Nov. 2018

Sobre a instituição de ensino

A Atlântica nasceu em 1996 como instituição de interesse público, que procurava ser uma referência orientada para a criação, transmissão e difusão do saber, da ciência e da tecnologia através da artic ... Leia mais

A Atlântica nasceu em 1996 como instituição de interesse público, que procurava ser uma referência orientada para a criação, transmissão e difusão do saber, da ciência e da tecnologia através da articulação do estudo, do ensino, da investigação e do desenvolvimento experimental. Ler Menos